• GM Rhaekyrion

Subgêneros Literários Narrativos Modernos e o Público Alvo

Atualizado: 22 de Set de 2020

Depois da explicação sobre os Gêneros Literários e seus principais Subgêneros, voltamos ao Narrativo para falar um pouco sobre suas ramificações modernas. Terror, fantasia, drama, aventura, ficção científica e todas essas classificações que envolvem o cinema e literatura, principalmente os livros mais recentes.


Por que precisei separar em uma única matéria esses subgêneros? Simplesmente porque é muito extenso. Com o envolvimento do cinema na formação literária e a flexibilização da classificação das obras, os subgêneros narrativos ganharam uma lista vasta de características.


É comum que chamemos de estilo de escrita, que é responsável por englobar os livros em esferas. Tais quais os romances, a fantasia, a distopia e o suspense, por exemplo. Nem sempre conseguimos entender que tipo de subgênero escrevemos e muitas vezes acontece de haver mais de um envolvido na trama e essa mistura, que torna os subgêneros flexíveis, acaba dando um nó na cabeça do escritor.


Entender o seu Subgênero Literário é uma etapa crucial para o Escritor

livro, escritor e gênero literário
Subgêneros Literários Narrativos Modernos e o Público Alvo (Foto: GMRhaekyrion)

Na antiguidade tínhamos classificações claras no mundo artístico, sabíamos o que era uma peça, uma tragédia, uma poesia em soneto e por aí vai. Mas a modernidade trouxe a liberdade de expressão nas artes e isso causou uma certa confusão na hora de classificar os livros atuais.


Boa parte dessa “bagunça” se deu pela influência do audiovisual no mundo literário. É muito comum classificar livros do mesmo modo que classificamos um filme e mesmo assim essa classificação é bem flexível e depende muito de alguns pontos de vista.


Podemos classificar um livro de acordo com o seu público alvo, por exemplo. Aí ele será adulto, ou infantil, ou juvenil, ou, ainda infanto-juvenil e por aí vai. Entretanto, podemos classificar quanto a sua origem de produção, pois ele pode ser estrangeiro ou nacional. Além disso, podem ser classificados por conteúdo de enredo, aí vem as ficções, não-ficções, fantasia, suspense e semelhantes.


De um modo bem geral, os termos mais evidenciados são: apocalipse zumbi, autobiografia, biografia, chick-lit, fantasia e fantasia científica, ficção científica, folhetim, horror; literatura brutalista, fantástica, infanto-juvenil, jovem-adulto (YA); metaficção, neocrítica, novelas de cavalaria, paródias, sick-lit, space opera, suspense, vampirismo; literatura gótica, esotérica, espírita; auto-ajuda, negócios, steampunk, cyberpunk, espiritualista, aventura, guerra. Por fim, as sagas e trilogias.


Posso facilmente estar esquecendo alguns, pois esses estilos mudam e criam ramificações, tornando quase impossível listar sua totalidade. O que importa, é saber que cada um possui uma característica específica, que vai classificar sua obra naquela esfera e te ajuda a trabalhar o enredo com base nessas marcas.


Classificação literária e público alvo caminham juntos


livro, escritor e gênero literário
Subgêneros Literários Narrativos Modernos e o Público Alvo (Foto: Pinterest)

Para entender melhor como as coisas funcionam é preciso primeiro pensar em seu público alvo. Vou me usar como exemplo. Quando comecei a escrever pensava em fazer obras que eu gostasse de ler. Depois que comecei a estudar marketing e escrita criativa e tentei classificar o meu público alvo, passei a compreender melhor o meu estilo de escrita.


Então comecei pensando na idade. Escrevo para pessoas jovens, jovens-adultos e adultos. Dessa maneira tenho uma faixa etária dos 15 aos 40 anos. Ótimo. Agora, penso em que estilo de pessoas quero capturar. Como escrevo fantasia, preciso focar justamente em pessoas que consomem o mesmo estilo. Ou seja, leitores de Tolkien, George Martin, Felipe Castilho. Pessoas que gostam de RPG, jogos de aventuras e adoram uma boa ficção.


Munida com esse perfil, vou procurar conteúdo voltado para isso, ver quais são os elementos dentro desse nicho que me darão suporte para escrever o meu conteúdo. Então, me baseei nos livros que consumo, como O Navio Arcano, Asas de Fogo, Os Filhos de Húrin, Senhor dos Anéis, As Crônicas de Gelo e Fogo e por aí vai.


Quando se tem em mente quem você quer atingir, fica mais fácil produzir a sua história. Porque, Criadores de Mundos, ser Escritor é também compreender sobre empreendedorismo, Mercado Editorial e, acima de qualquer coisa, marketing.


Matenha o Foco do seu Livro no seu Público Alvo


Não adianta você escrever um romance ambientado na Era Medieval e querer que leitores de suspense gostem da sua obra, você precisa procurar as pessoas que gostem do seu estilo.


Entretanto, existe um viés, que é quando se mistura mais de um estilo. Ou seja, você pode escrever uma distopia futurística, que cai em distopia e ficção científica. Ou um drama fantástico e assim sucessivamente.


Porém, uma coisa continua a mesma: achar seu público alvo. Ele é quem vai te nortear para o que você está fazendo e não adianta querer abraçar o mundo. Já ouviu falar quem quer serve a dois senhores não servindo a ninguém? É exatamente isso que acontece.


Fixando conteúdo: seu público alvo é o seu Norte. Para que as coisas fiquem claras, te desafio a colocar em um papel todas as características do seu público alvo:


  1. Idade

  2. Tipo de consumidor

  3. Masculino ou feminino ou outro gênero

  4. Se faz parte de alguma esfera das minorias


Pense direitinho em todos esses detalhes da lista e tente traçar um perfil para o seu conteúdo. Escreva nos comentários a sua lista, será um prazer ajudá-los dessa evolução. Abordaremos cada esfera de estilo com muito carinho nas próximas matérias.


Beijos de Fogo.

Posts recentes

Ver tudo